Ordo Missae

Nesta página não reproduzirei o ordo missae na sua integridade (que poderão encontrar aqui), mas colocarei apenas aquilo que difere do ordo missae romano. As rúbricas descritas serão aquelas duma Missa solene.

————–

A rubricas mandam o celebrante sair da sacristia  com a cabeça coberta e as mãos juntas diante do peito e, chegando ao degrau inferior do altar, deve ajoelhar-se e dizer Ave Maria, gratia plena… ao que seus ministros e circunstantes respondem Sancta Maria, Mater Dei

Depois ergue-se e faz o sinal da cruz dizendo In nomine Patris… Juntando novamente as mãos diz:

V/ Sancti Spiritus adsit nobis gratia. [Este verso, curiosamente, é o primeiro verso duma sequência – Sancti Spiritus adsit nobis gratia – que se utilizava anteriormente ao Veni Sancte Spiritus]
R/ Amen.

V/ Que a graça do Espírito Santo nos assista.
R/ Amen.

Depois segue a antifona e o salmo 42, conforme se encontra no missal romano de ’62.

Encontramos um Confiteor diferente do romano de ’62. É de notar que o Confiteor do missal actual tem algumas semelhança com o bracarense:

Confiteor Deo omnipotenti, et beatae Mariae Virgini, et sanctis Apostolis Petro et Paulo, et omnibus Sanctis, et vobis, fratres: quia peccavi nimis cogitatione, locutione, opere et omissione: mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa. Ideo deprecor beatissimam Virginem Mariam et omnes Sanctos et Sanctas Dei, et vos, fratres, orare pro me.

Confesso a Deus todo poderoso, à beata Virgem Maria, aos Santos Apóstolos Pedro e Paulo, a todos os Santos, e a vós, irmãos, que pequei muitas vezes por pensamento, palavra, acto e omissão: por minha culpa, minha culpa, minha tão grande culpa. Portanto, peço à beatíssima Virgem Maria, a todos os Santos e Santas de Deus, e a vós, irmãos, que rogueis por mim.

A formula de absolvição que o sacerdote diz é diferente (mas igual ao encontrado na primeira edição do missal de S.Pio V):

Misereatur vestri omnipotens Deus, et, dimissis omnibus pecatis vestris, perducat vos ad vitam eternam.
Indulgentiam, absolutionem, et remissionem omnium peccatorum nostrorum tribuat nobis omnipotens et misericors Dominus.

Que Deus omnipotente se compadeça de vós, perdoe todos os vossos pecados, e vos conduza à vida eterna.
Perdão, absolvição, e remissão de todos os nossos pecados nos conceda o Senhor omnipotente e misericordioso.

O Aufer a nobis tem uma variação:

Aufer a nobis, quaesumus, Domine, cunctas iniquitates nostra…

Afastai de nós, Senhor, Vos pedimos, todas as nossas iniquidades…

A Missa depois continua igual ao missal romano, sendo que aparecem 7 entoações para o Glória, ao contrário dos 4 existentes no missal romano. [Caso alguém deseje, posso fornecer as entoações.]

Após a leitura da Epístola, do Gradula/Tracto, e do Aleluia, mas antes da leitura do Evangelho, na Missa Solene o subdiácono “oferece” a galheta de água ao celebrante para benzer, dizendo Benedicte, Pater reverende, ao que o celebrante responde, fazendo o sinal da cruz sobre a galheta:

Dominus ipse te benedicat, cujus Spiritus in mundi primordio ferebatur super aquas. In nomine Patris…

O Senhor, cujo Espirito se movia sobre as águas nos primórdios do mundo,  te bendiga. Em nome do Pai…

Informaram-me que esta acção – a infusão da água antes do Evangelho nas Missas solenes – é muito comum nos ritos da família Normanda (Sarum, York, Rouen, rito Dominicano). Nos ritos medievais a água simbolizava a natureza humana de Jesus, portanto a sua infusão nesta altura está relacionada com o facto d’Ele ainda estar entre nós a pregar e a ensinar dum modo humano (convém recordar os leitores que, apesar da noção se ter perdido hoje em dia, toda a vida de Jesus se desenrola ao longo da Missa).

O subdiácono depois junta a água ao vinho dizendo:

Ex latere Domini nostri Jesu Christi, sanguinis et aqua exiisse perhibetur: et ideo nos pariter commiscemus, ut misericors Deus utrumque ad medelam animarum, nostrarum sanctificare dignetur. Per eudeum…

Do lado de nosso Senhor Jesus Cristo, diz-se ter saído sangue e água: e por isso nós do mesmo modo misturamos, para que Deus misericordioso se digne santificar, a um e outro, para remédio das nossas almas. Pelo…

O diácono depois coloca o cálice no devido lugar antes de mudar o missal ou evangelário.

Ambos os missais continuam de igual forma até chegar ao Credo, onde encontramos duas entoações no bracarense, onde apenas existe um no romano.

O bracarense difere do romano após o Ofertório, dizendo o sacerdote enquanto desdobra o corporal:

In conspectu, quaesumus, Domine, haec munera tibi sint placita; ut nos tibi semper placere valeamus. Per Christum…

O diácono depois entrega a patena com a hóstia ao celebrante, que diz:

Acceptabilis sit Maiestati tuae, omnipotens Deus, oblatio haec, quam tibi offerimus pro reatibus et facinoribus nostris, et pro stabilitate sanctae Ecclesiae Catholicae, necnon et pro animabus omnium fidelium Defunctorum. Per Christum…

Depois de fazer o sinal da cruz com a patena, coloca a hostia sobre o corporal, oferecendo depois o cálice com a conhecida oração existente no missal de ’62 Offerimus tibi, Domine, calicem salutaris

Seguem as mesmas orações que no missal romano, existindo apenas uma variação aquando da insensação. Ao receber o turíbulo de volta do diácono, o sacerdote diz-lhe:

Centuplum accipias, et vitam aeternam possideas in regno Dei. Amen.

Segue o Lavabo, o Suscipe Sancte Trinitas, e o Oratre fratres. O Orate fratres varia do romano num pequeno detalhe:

Orate fratres pro me: ut meum…

Ambos os missais seguem de igual forma. Relativamente aos Prefácios, o bracarense não tem o do Sacratíssimo Coração de Jesus, nem o do Cristo Rei (devido à data da edição do missal).

O Cânone é o Romano, variando apenas em algumas palavras. Por exemplo:

No Te igitur temos:
…supplices rogamus, et[ac, no missal romano] petimus….
et Antistite nostro N., et Rege nostro N. Et me indigno famulo tuo N. [inexistente no missal romano] et omnibus orthodoxis…

Encontramos apenas uma pequena variação no Libera nos:
…beata, et gloriosa, semperque Virgine Dei Genetrice Maria, et beatis Apostolis tuis Petro et Paulo, atque Andrea, cum omnibus Sanctis…

Seguindo no missal, encontramos duas opções para o Haec commixtio.
Um mais elaborado:

Haec sacrosancta commixtio Corporis et Sanguinis Domini Nostri Iesu Christi, fiat mihi et omnibus sumentibus, salus mentis et corporis, et ad vitam aeternam capessendam praeparatio salutaris. Te praestante, Deus noster, qui aeternus vivis et regnas, Deus, per omnia saecula saeculorum. Amen.

O outro é o existente no missal romano, mas com Fiat commixtio em vez de Haec commixtio.

Antes de dar a paz, o sacerdote em segredo uma de duas orações (à sua escolha):

Domine Iesu Christe, qui es vera pax et vera concordia: fac nos pacificari in hac sancta hora.

ou

Domine Iesu Christe, qui dixisti Apostolis tuis: Pacem meam do vobis, pacem relinquo vobis: ne respicias pecata mea, sed fidem Ecclesiae tuae: eamque secundum voluntatem tua pacificare, custodire et coadunare digneris: Qui vivis et regans com Deo Patre in unitate Spiritus Sancti Deus. Per omnia…

Esta última oração é muito semelhante à existente no missal romano, com algumas ligeiras variações.

Após a paz aparece uma oração que não consta no missal romano (mas que aparece noutros missais medievais – Sarum, Mozárabe – com algumas ligeiras variações):

Domine sancte, Pater omnipotens, aeterne Deus, da mihi hoc Corpus et Sanguinem Filii tui, Domini nostri Iesu Christi, ita sumere: ut merear per illud remissionem omnium peccarotum meorum accipere, et tuo Sancto Spiritu repleri: quia tu es Deus benedictus, et praeter te non est alter: cujus regnum et imperium sine fine permanet in saecula saeculorum. Amen.

Segue a oração Domini Iesu Christe, Fili Dei vivi, que varia na doxologia:

Qui cum eodem Patre vivis et regnas in unitate ejusdem Spiritus Sancti Deus. Per omnia saecula saeculorum. Amen.

Onde o missal romano tem Perceptio Corporis tui, aparece no bracarense:

Domine Iesu Christe, non sum dignus te suscipere: sed tantum, obsecro, propitius esto mihi indigno peccatori, et praesta, ut haec vera Corporis et Sanguinis tui perceptio, non sit mihi ad judicium neque ad condemnationem, ser sit omnium peccatorum meorum optata remission, et animae et corporis mei pia gubernatio, et potens ad vitam aeternam introductio: et praestante, Deus noster: qui cum PAtre et Spiritu Sancto vivis et regnas, Deus. per omnia saecula saeculorum. Amen.

Seguem iguais até ao final da oração da ablução, onde encontramos:

Qui vivis et regnas, cum Deo Patre, in unitate Spiritus Sancti Deus. Per omnia saecula saeculorum. Amen.

Na despedida final, ainda existe a variação entre Ite, missa est e Benedicamos Domino, variação essa que já não chegou ao missal de ’62. Temos mais entoações de despedida no bracarense do que no romano.

Terminada a despedida, o sacerdote vira-se para a assembleia dizendo:

In unitate Sancti Spiritus benedicat vos Pater et Filius.

Segue o Placeat tibi, sancta trinitas e o Evangelho Final.

Após o Evangelho Final o sacerdote desce do altar e ajoelha-se (excepto no período Pascal) para a Comemoração da Virgem Maria, que varia consoante o tempo.
Durante o ano:
Sub tuum praesidium, com o versículo e responsório que geralmente estão associados ao Ave Regina Caelorum no breviário romano. A oração colecta é aquela geralmente associada ao Salve Regina, mas com a seguinte variação:
…ab instantibus malis et a cunctis periculis, et a morte subitanea atque perpetua liberemur, et ad gaudia aetern pervenire mereamur.

Primeiro domingo de Advento à Vigília da Natividade do Senhor:

Missus est Gabriel Angelus ad Mariam virginem desponsatam Ioseph. [Este texto encontra-se no Ofício da Virgem Maria.]
V/ Angelus Domini nuntiavit Mariae.
R/ Et concepit de Spiritu Sancto.

Deus qui de beatae Mariae Virginis utero Verbum Tuum, Angelo nuntiante, carnem suscipere voluisti: praesta supplicibus tuis; ut qui vere eam Genitricem Dei credimus, ejus apud te intercessionibus adjuvemur. [Colecta da Anunciação]

Da Natividade do Senhor até à Vigília da Purificação da Beata Virgem Maria:

Nesciens mater virgo virum peperit sine dolore salvatorem seculorum ipsum regem angelorum sola virgo lactabat ubera de celo plena.

O versículo, responsório, e a colecta são os do Alma redemptoris mater deste período.

Do Sábado Santo à Vigília da Ascenção:

Regina caeli, com a colecta Gratiam tuam que se encontra associada ao Angelus.

Advertisements

4 Responses to Ordo Missae

  1. 247062 says:

    O link para o Ordo Missae completo em PDF está quebrado. Pode disponibilizar outro ficheiro para Download?

  2. Eva says:

    Ou muito me engano ou a FSSPX em Portugal diz a Missa segundo o rito Bracarense. Lembro-me do acólito me falar nisso, e parte do rito involvia o acólito colocar uma vela acesa no altar, lado da Epístola durante o Cânone.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s